Livro ‘Rio Metropolitano: Guia para uma arquitetura’
com Guilherme Lassance e Pedro Varella
2012

Prêmios:

2013 – Exhibited at the 10th Sao Paulo International Biennale of Architecture (selected by an open call).
2013 – Honourable Mention at IAB Annual Award (Institute of Architects of Brazil), in the category of theoretical production.
2014 – Honourable Mention at IX Bienal Iberoamericana.
2014 – Honourable Mention at the ANPARQ AWARD (National Association of Research and Postgraduate Studies in Architecture and Urbanism)

///

Diante da constante e crescente expansão urbana nas cidades latino americanas, arquitetos são desafiados a projetar para a dinâmica metropolitana. Entretanto, essa lógica metropolitana exige observar a cidade através de seu próprio ritmo de intensificação e otimização. Esse olhar orientado pela exigência metropolitana põe em foco edifícios cujas inteligências de suas estruturas espaciais vão além das suas aparências mal resolvidas. Como reconhecer, representar e projetar essa inteligência? Como observar a performance metropolitana de um projeto de arquitetura? Como evitar o consumo puramente visual de referências fotogênicas inabitadas e inertes ao quotidiano frenético de nossas cidades?

Rio Metropolitano: Guia para uma arquitetura é o resultado de uma extensa pesquisa que buscou explorar dois problemas principais: primeiro, quais são as qualidades arquitetônicas do Rio de Janeiro metropolitano; e então, como estas qualidades podem ser estudadas a partir de edifícios existentes? Assim, o livro é dividido em duas partes principais: um debate teórico sobre a evolução do Rio em uma metrópole complexa, com foco em como a produção de arquitetura foi afetada por esta evolução; e em uma segunda parte, o livro apresenta um acervo de edifícios que mapeiam essas qualidades metropolitanas na cidade, os apresentando através de precisa representação. A primeira parte termina com o desenvolvimento do "Índice de Desempenho Metropolitano": um sistema de cinco indicadores graduados que contribuem para situar cada uma das arquiteturas estudadas em relação às suas qualidades mais importantes. A segunda parte não termina com o livro: este guia apresenta-se como uma obra fundamentalmente não terminada, que precisa da experiência concreta de seu leitor potencial para atingir seus objetivos. Não há sugestões de itinerários, mas apenas alguns agrupamentos geográficos configurado como capítulos.

Três etapas construíram a nossa aproximação à arquitetura metropolitana: (1) Glaucoma: a primeira etapa refere-se ao problema do argumento pelo recorte fotográfico de arquitetura. Refere-se à falta de volume, de visão lateral, refere-se, finalmente, à “crise do inteiro” (Virilio 1993): uma arquitetura amputada do inteiro contínuo da cidade. (2) Presença: no movimento para se anular o problema do glaucoma, (re)forçamos a nossa visão lateral e acabamos por atravessar a matéria cotidiana da cidade. Atravessamos sua extrema intensidade de fluxos, ritmos, lógicas de mercado, dinâmicas infraestruturais, etc. Nesse atravessamento, encontramos edifícios que se aproveitam e estimulam a interface arquitetura-cidade – qualidades que não poderiam ser percebidas através de ensaios fotográficos arquitetônicos. (3) Diagrama: como então reproduzir essas qualidades? Como representar a performance espacial de um edifício? Em nossa pesquisa, encontramos no diagrama axonométrico a ferramenta necessária para estudarmos as múltiplas inteligências dos edifícios que constituíram nossos estudos de caso.

Portanto, Rio Metropolitano não só convoca essa condição para a cidade, mas também defende uma atitude de projeto que está ciente da urgente necessidade de se reconhecer, compreender, valorizar e produzir arquitetura como algo capaz de tirar proveito desta condição, a fim de aumentar o seu potencial.

//

link para site

//

This research was largely supported by the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), counting with the participation of many undergraduate students; and it was sponsored by the FAPERJ Research Grant.

Launched at the Architectural Association, London/ and the Columbia University Studio X, Rio de Janeiro.